segunda-feira, 31 de março de 2014

ARACY CÔRTES, 110 ANOS



Hoje, dia 31 de março, a grande cantora ARACY CÔRTES completaria 110 anos.

Nascida no Rio de Janeiro em 31 de março de 1904, Aracy Côrtes, foi uma das maiores intérpretes de nossa música, responsável por lançar inúmeros sucessos e vários compositores. Foi ela quem inaugurou o estilo Samba Canção, ao imortalizar Ai Yoyô, melodia de Henrique Vogeler com versos de Luís Peixoto e Marques Porto, em 1928.

Algumas curiosidades sobre Aracy Côrtes:


  • Seu nome de batismo era Zilda de Carvalho Espíndola. Ao iniciar sua carreira artística em circos, no final dos anos 10, usou outras variações do nome. Aracy Côrtes (o nome) surgiu graças ao compositor Otávio Viana (China) e ao jornalista Paulo Magalhães. Ela não gostou a principio, mas, acostumou-se depois.

  • Já existia uma Aracy Côrtes, que era professora. A senhora se ofendeu ao saber que sua homônima era atriz de teatro ligeiro. Isso foi no comecinho da década de 20.

  • Aracy foi uma das poucas figuras de nossa música que viveu duas épocas distintas na cultura brasileira. Ela iniciou carreira e se notabilizou ainda na Belle Époque brasileira, fazendo parte das gravações mecânicas, e depois se consagrou fase da modernização da MPB, com o surgimento, no Brasil, em 1927, da gravação elétrica e o apogeu do rádio.

  • Foi ela quem lançou compositores do quilate de Noel Rosa e Assis Valente, cujas músicas eram cantadas no teatro de revista, levando as composições e seus autores ao conhecimento do grande público.

  • Em 1930, casou-se com o sapateador Esteban Palos, irmão do cômico Palitos. Aracy deu a luz a um menino, chamado Arary, mas a criança faleceu com poucos meses de vida. Pouco depois, ela e Esteban se separaram.



Confiram uma deliciosa marchinha gravada por Aracy:

Tô Te Espiando
Marcha de Freire Jr.
Acompanhamento da Orquestra Copacabana
Disco Odeon 10.973-A, matriz 5491
Gravado em 19 de janeiro de 1933 e lançado em janeiro e fevereiro









Agradecimento ao Arquivo Nirez








domingo, 30 de março de 2014

ARTISTAS DO ÁLBUM DO RÁDIO 1950, parte 1

IARA SALLES
(1912 - 1986)





Iara Salles, cujo nome de batismo é Maria do Rosário Salles, nasceu em Tietê, São Paulo, no dia 27 de julho. Ingressou como locutora na Rádio Nacional, no dia 3 de março de 1939. Posteriormente, revelou-se rádio-atriz de excelentes qualidades. Casou-se em 1947 com Héber de Bôscoli, ao lado do qual anima o Trem da Alegria. Tem um filho, do seu primeiro casamento, que é rádio-ator da Nacional. Iara é também atriz.


Obs. Iara Salles era mãe adotiva do ator Perry Salles. Foi sogra das atrizes Miriam Mehler e Vera Fischer.



VICENTE CELESTINO
(1894 - 1968)






Seu nome por extenso é Antônio Vicente Felipe Celestino. Nasceu no dia 12 de setembro de 1895 (sic). Desde menino revelou-se excelente cantor e cedo estreou em teatro. Hoje é um nome conhecido em todo o Brasil, através de suas inúmeras gravações e das constantes excursões que realiza. Sua voz é inconfundível. Atua indistintamente em rádio, cinema e teatro. Casou-se com a atriz-cantora Gilda Abreu, mas dêsse feliz consórcio não existe nenhum filho. Já cantou em quase tôdas as estações. 

Remai, Remai
Valsa de Henri Château em arranjo de Vicente Celestino
Gravada por Vicente Celestino
Acompanhamento de Orquestra e Coro
Disco RCA Victor 80-1005-B, matriz SB-093401
Gravado em 22 de agosto de 1952 e lançado em novembro 





ÁTILA NUNES
(1908 - 1968)






Átila Nunes nasceu a 16 de junho de 1908 em Niterói, onde, em 1932, iniciou a sua carreira radiofônica na extinta Rádio Sociedade Fluminense, da qual foi um dos fundadores. Isto,depois de ser proprietário de uma casa de calçados e diretor de uma revista. No Rio, começou na PRB-7, emissora na qual se tornou popularíssimo, chegando até o pôsto de diretor artístico. É casado e tem duas filhas. É exclusivo da Guanabara.


Cabocla Pureza
Canção de Átila Nunes
Gravada por Augusto Calheiros
Acompanhamento de Orquestra
Disco Toda mérica TA-5.329-B, matriz TA-472-1
Gravado em 28 de maio de 1953 e lançado em agosto





ISAURA GARCIA
(1919 - 1993)






Eis um nome que honra o rádio paulista. Tem recusado tôdas as propostas para transferir-se definitivamente para o Rio. É a cantora mais popular de São Paulo e suas gravações constituem sempre sucesso em todo o Brasil. Pertence ao cast da Rádio nacional. Nasceu na capital paulista no dia 26 de fevereiro de 1919 e ingressou no rádio vencendo um programa de calouros na própria Rádio Record, no ano de 1936.


Prometeu Me Ajudar
Samba de Herivelto Martins e Benedito Lacerda
Acompanhamento de Regional
Disco RCA Victor 80-0738-B, matriz S-092806
Gravado em 26 de outubro de 1950 e lançado em dezembro




DORIVAL CAYMMI
(1914 - 2008)






Dorival Caymmi nasceu na cidade do Salvador no dia 30 de abril de 1914. Travou relações com o microfone em 1934, na antiga Rádio Clube da Bahia, onde fazia tudo. Seu nome passou a ser notado depois que Carmen Miranda gravou o seu famoso samba O que é que a baiana tem? . Daí para a consagração, foi um pulo. É consorciado com a ex-cantora Stela Maris e tem três filhos. Nas horas disponíveis pinta belos quadros.

Trezentas e Sessenta e Cinco Igrejas (365 Igrejas)
Samba de Dorival Caymmi
Gravado por Dorival Caymmi
Acompanhamento de Benedito Lacerda e Seu Conjunto
Disco Odeon 12.685-B, matriz 8009
Gravado em 12 de fevereiro de 1946 e lançado em março





ABELARDO BARBOSA
(1917 - 1988) 






José Abelardo Barbosa de Medeiros eis como foi registrado em Surubi, cidade pernambucana, onde nasceu no dia 30 de setembro de 1917, o jovial criador do Cassino do Chacrinha. A primeira emissora em que atuou foi a Rádio Clube de Pernambuco, no ano de 1939. Depois veio parao Rio, tendo lançado o broadcasting que o popularizou na antiga Rádio Clube Fluminense. Abelardo é casado e pai de um filho.


Marchinha do Curió
Marcha de Armando Cavalcânti e Klécius Caldas
Gravada por Abelardo “Chacrinha” Barbosa
Acompanhamento de Orquestra e Coro
Disco Sinter 00-00.119-A, matriz S-252
Lançado em 1952










Agradecimento ao Arquivo Nirez





ÁLBUM DO RÁDIO 1950




Em 1950 a Revista do Rádio lançava o seu primeiro Álbum do Rádio, trazendo várias fotografias de artistas com uma resumida biografia.
Vou trazer o perfil de alguns desses importantes nomes de nosso rádio.







Agradecimento ao Arquivo Nirez






domingo, 23 de março de 2014

RESPONDENDO EM VERSOS: MARIA SABINA

MARIA SABINA    




A revista O Cruzeiro publicou em 1932 uma série de reportagens abordando quatro poetisas brasileiras. Da autoria de Padua de Almeida, Um Inquerito Pantheista e Sentimental entre as mais notaveis figuras femininas na arte e literatura brasileiras, trazia algumas perguntas respondidas pelas artistas enfocadas. O mais interessante é que todas as perguntas foram respondidas em versos

Eis a matéria (copiada do original):


Um Inquerito Pantheista e Sentimental entre as mais notaveis figuras femininas na arte e literatura 


A artista e a intellectual brasileiras tem o espirito voltado para a contemplação da natureza e o sentimentalismo?
Eis o que, em oito perguntas "O CRUZEIRO" tenciona desvendar aos leitores, nesta "enquête" a que chamamos pantheistica e sentimental.
Fazer uma "enquête" para conhecer-se uma alma é como abrir uma janella sobre uma paysagem: nunca deixa de trazer um pouco de belleza, de luz e de imprevisto aos nossos olhos.
E ha almas que são verdadeiros panoramas. Descerram-se até ás distancias mais longinquas, mostrando ora o seu pessimismo, que nos dá a idéa de montanhas altas entre brumas, ora o seu amor á vida ambiente, que nos faz recordar vegetação, passaros e sol.
Imaginando essas cousas é que resolvemos lançar esta "enquête". Ella nos vae descortinar, de um modo suave e pittoresco, a sensibilidade e a indole contemplatica de algumas das mais expressivas artistas e intellectuaes brasileiras.

Como dissemos, compõe-se de oito perguntas o questionario que distribuimos a varias damas e senhorinhas cuja vida intellectual e artistica é amplamente conhecida, pois os seus nomes estão quasi sempre á baila nas chronicas de arte e literatura dos nossos periódicos.


Questionário

a) Em que paiz do mundo desejaria viver? Em uma terra glacial ou numa região inundada constantemente de sol?
b) Que estação do anno prefere? E qual a que está mais de accordo com a sua sensibilidade?
c) A observação lhe parece mais util e interessante que a leitura?
d) Que hora do dia lhe agrada mais? Porque?
e) Gosta mais dos céos estrellados que das noites de tempestade?
f) A humanidade lhe desperta maior attenção que a natureza?
g) Que mais a suggestiona: o silencio ou a palavra?
h) Em seu temperamento, a illusão do amor vencerá a illusão da gloria?


Resposta da senhorinha Maria Sabina


a) - Sómente em Minha Terra, onde o sol millionario,
      perdulario,
      esbanja luz e côr,
      quero sempre viver, longe da neve,
      corpo crestado, alma cantante e leve
      vestida de esplendor!

b) – Sendo Filha do Sol, quando a festa sonóra
       das cigarras começa, annunciando o Verão,
       minha alma, num perfume, se evapora  
       como a flor tropical na sua floração...

c) -   Leitura... Iniciação espiritual... Delicia
        de pensar, de sentir
        o que aos outros já foi ou tormento ou caricia
        e o que elles nos quizeram suggerir...
        Mas, melhor do que o livro mais profundo,
        mais bella, mais vibrante, mais brutal,
        é a Vida prescrutada bem no fundo, 
        porque é real

d) - Dentre as horas do dia uma hora existe
      entre todas mais languida e mais triste..
      Hora em que o Sol, batalhador vencido
      na arena, como heróe, rola ferido:
      golfa-lhe o sangue generoso e quente
      e a purpura do céu vae, lentamente,
      em belleza e doçura se apagando,
      em cinzas e lilazes desmaiando...
      É a Hora da Saudade que suggere
     uma angustia imprecisa que nos fére
     e á tona da nossa alma vem subindo
     o que era bom e estava em nós dormindo...

e) - A alma contemplativa, absorta e solitaria
      que ás vezes mora em mim
      gosta de se perder pela poeira dos astros
      para sondar o espaço, absorver o infinito,
      prender o ouro do céu nos recessos do sonho...
     Conto as estrellas com o olhar tristonho
     pelo espaço sem fim, 
     e, ao ver tanta riqueza perdularia,
     como me sinto só, pequenina, de rastros
     sobre a terra, perdida, a rolar na amplidão!
     Mas, quando a alma rebelde e tumultuosa
     desperta em mim, num revoltado grito,
     amo o tropel das nuvens e dos ventos
     perseguidos de raios e trovão!
     Sinto então minorados meus tormentos,
     e a minha angustia menos tormentosa,
     quando posso sentir minha Saudade
     dilacerada pela tempestade.

f) - A Natureza é para o meu egoismo
     um estranho delirio de belleza:
     em mim vive um perpetuo pantheismo
     maravilhado pela Natureza!
     Mas, quando, finalmente,
     alma contricta, volto á humanidade,
     sinto vibrar em mim, profundamente,
     o sentimento da fraternidade.

g) - SIlencio... quanto mais suggeres que a palavra!
      Tua eloquencia estranha é persuasiva,
      tem tanta força em sua imprecisão!
      Falas melhor de tudo quando lavra
      no recondito da alma inquieta e viva,
      perturbas muito mais o coração...
      Silencio... para as almas foste feito:
      tudo o que é bello ou máu em nosso peito
      fala melhor, se tudo se calou...
      É no silencio que melhor se pensa;
      no silencio a saudade se condensa;
      sempre em silencio é que melhor se amou.

      O silencio foi feito para a preçe;
      é no silencio que a nossa alma tece
      a trama singular das illusões...
      É no silencio que melhor se chora;
      é no silencio que melhor se adora
      e em silencio se falam os corações...

h) - Illusão da gloria... Como vencerias
      neste coração que nunca te almejou?
      Illusão do amor... Ai! Como voltarias
      se este coração a tudo renunciou?










Agradecimento ao Arquivo Nirez








quarta-feira, 19 de março de 2014

segunda-feira, 17 de março de 2014

EDMOND LEVY & C°, Fortaleza (CE) 1912 - 1913

Almanak Henault, 1912 - 1913
Fortaleza, Ceará
Arquivo Nirez


EDMOND LEVY & C°

79 – 81, Rua Major Facundo, 79 – 81

Caixa Postal 42
Telegrammas Edmond Levy
A B C Code

Especialidade em Miudezas e Ferragens

Joias de Ouro de Lei, Brilhantes e outras Pedras Preciosas

Relogios de Ouro, Prata, Nikel, de Banca e Parede

Lunetaria










Agradecimento ao Arquivo Nirez








UMA CANÇÃO PARA A NOITE

Francisco Alves
Arquivo Nirez
CANÇÃO DA NOITE
Tango canção de Pedro de Sá Pereira e Lamartine Babo
Gravado por Francisco Alves em 1928, acompanhado da Orquestra Rádio Central















domingo, 16 de março de 2014

PARC ROYAL, 1914

Revista da Semana, janeiro de 1914.

PARC ROYAL
A MAIOR CASA DO BRAZIL

Escolha onde houver escolha e compre onde houver vantagens.

,,,Compramos muito e a dinheiro para comprar barato.
...Vendemos muito e a dinheiro para fazer vantagens.

E n´isto consiste todo o segredo da nossa organização que nos permitte servir ao mesmo tempo os nossos interesses e os interesses dos nossos freguezes.

Actualmente Lindas Exposições das novidades para VERÃO.









Agradecimento ao Arquivo Nirez








sábado, 15 de março de 2014

CARMEN MIRANDA INTERPRETA ASSIS VALENTE

Assis Valente e Carmen Miranda.


Há 56 anos, em 10 de março de 1958, falecia o compositor baiano ASSIS VALENTE.

Assis Valente foi um dos mais importantes compositores brasileiros, tendo iniciado sua carreira de compositor no começo dos anos 30, tendo sua primeira composição, Tem Francesa no Morro, gravada por Aracy Côrtes, sendo um sucesso.
Sua maior musa seria a cantora Carmen Miranda, que gravou 24 músicas de Assis, lançando alguns clássicos de nossa MPB. Carmen também era sua amiga pessoal. 

Sofrendo de crises depressivas, o compositor que, mesmo com todo o sucesso, atravessava crises financeiras, tentou suicídio em duas ocasiões (uma delas atirando-se do Corcovado, mas, foi salvo pelas copas das árvores que amenizaram o impacto). Porém, em 1958, ele tentou mais uma vez e, infelizmente, foi bem sucedido, ingerindo formicida com guaraná em um banco da Praia do Russel, no Rio de Janeiro. 

Ainda em 1936 a cantora Sônia Carvalho gravou um samba de Assis, em parceria com Roberto Azevedo, intitulado Você Quer Se Ver Livre Deste Mundo, cujos versos falavam justamente de suicídio por veneno ao mesmo tempo em que defendia a vida, tentando demover alguém dessa ideia. A própria Sônia declararia décadas depois que Assis tinha uma fixação por suicídio.

Em uma homenagem ao genial compositor, que em suas músicas retratava crônicas sociais, trago Carmen Miranda interpretando dez músicas de sua autoria.

Curiosidades

  • Em Good Bye e Tão Grande e Tão Bobo, o compositor Lamartine Babo faz participação com Carmen.
  • Segundo o saudoso pesquisador Abel Cardoso Junior, biógrafo de Carmen Miranda, Good Bye foi inspirada em uma festa em que Assis Valente esteve, em Vila Isabel. Onde "se declamava muito Olegário Mariano, Menotti Del Picchia, etc... senhoras em sóirées ordinárias e almofadinhas baratos da época trocavam muitos good byes", sem senso do ridículo. Lamartine Babo, na gravação, faz imitação ao cantor Al Jolson. Quando Carmen esteve na Bahia, em 1932, já levava a marchinha em seu repertório, cantando uma quadra inédita, porém, que não fazia parte oficialmente da música: "É vergonha se dançar o candomblé/ É p´ra gente de fogão e de panela/ Já se desprezou a batucada/ Só se dança o black-bottom na favela". Em 26 de janeiro de 1933, houve a apuração do concurso de músicas carnavalescas do Distrito Federal. Good Bye ganhou o 1 prêmio.
  • Em Mulatinho Bamba há uma citação ao ator Clark Gable e ao filme Acorrentada (Chained), de 1934, estrelado por Gable e Joan Crawford.
  • Isso Não se Atura faz referências à Madame Butterfly (ópera de Puccini), a Beethoven e à célebre Kananga do Japão, famosa sociedade carnavalesca e dançante do início do século XX, no Rio de Janeiro, que já foi tema de uma novela na Rede Manchete, em 1989. Também faz referência ao Café Nice, reduto de compositores.
  • Uva de Caminhão faz referência à vários sucessos de carnaval do anos 30.


GOOD BYE
Marcha
Acompanhamento da Orquestra Victor Brasileira
Disco Victor 33.604-A, matriz 65605-2
Gravado em 29 de novembro de 1932 e lançado em janeiro de 1933




TÃO GRANDE E TÃO BOBO
Marcha
Acompanhamento da Orquestra Victor Brasileira
Disco Victor 33.721-A, matriz 65823-1
Gravado em 01 de agosto de 1933 e lançado em novembro





MINHA EMBAIXADA CHEGOU
Samba
Acompanhamento do Grupo do Canhoto
Disco Odeon 33.847-A, matriz 79704-1
Gravado em 28 de setembro de 1934 e lançado em novembro




TE JÁ
Marcha
Acompanhamento do Grupo do Canhoto
Disco Odeon 33.847-B, matriz 79705-1
Gravado em 28 de setembro de 1934 e lançado em novembro




ACORDA SÃO JOÃO
Marcha
Acompanhamento dos Diabos do Céu, sob a direção de Pixinguinha
Disco Victor 33.788-A, matriz 79613-2
Gravado em 23 de abril de 1934 e lançado em junho




FALA MEU PANDEIRO
Samba
Acompanhamento do Grupo Odeon
Disco Odeon 11.318-B, matriz 5226
Gravado em 26 de dezembro de 1935 e lançado em fevereiro de 1936




ISSO NÃO SE ATURA
Samba
Acompanhamento de Benedito Lacerda e Seu Conjunto
Disco Odeon 11.244-B, matriz 5085
Gravado em 26 de junho de 1935 e lançado em julho




UVA DE CAMINHÃO
Samba Revista
Acompanhamento do Conjunto Odeon
Disco Odeon 11.712-A, matriz 6034
Gravado em 21 de março de 1939 e lançado em maio




DEIXA COMIGO
Samba 
Acompanhamento do Conjunto Odeon
Disco Odeon 11.712-B, matriz 6035
Gravado em 21 de março de 1939 e lançado em maio




RECENSEAMENTO
Samba
Acompanhamento do Conjunto Odeon sob a direção de Simon Bountman
Disco Odeon 11.923-B, matriz 6468
Gravado em 27 de setembro de 1940 e lançado em dezembro







Agradecimento ao Arquivo Nirez









quinta-feira, 13 de março de 2014

ADEUS A PAULO GOULART

Paulo Goulart
http://educarparacrescer.abril.com.br/


Faleceu hoje, dia 13 de março de 2014, às 13h15, em São Paulo, o ator PAULO GOULART.
O ator estava com 81 anos de idade e, há dois anos, lutava contra um câncer no mediastino, região entre os pulmões.

Nascido em Ribeirão Preto (SP), em 09 de janeiro de 1933, Paulo Afonso Miessa teve como primeiro emprego as funções de DJ, operador e locutor em uma rádio fundada por seu pai em Olímpia, interior paulista.
Antes da carreira artística, ele estudou química industrial, segundo ele para ter uma alternativa de emprego.

Prestes a completar 18 anos, Paulo obteve ajuda do célebre ator Oduvaldo Vianna.
Contratado pela Rádio Tupi, também tinha a obrigação de fazer televisão, na TV Tupi, que era sustentada pela a rádio. Seu primeiro programa na TV foi com o saudoso Mazzaropi.

Então, ele adotou o sobrenome Goulart do tio radialista, Airton Goulart, se tornando Paulo Goulart.

No ano seguinte, 1952, conheceu a atriz Nicette Bruno e fez sua primeira peça. O amor foi inevitável e em 26 de fevereiro de 1954 os dois se casavam. Tiveram três filhos, todos artistas como os pais: Beth Goulart, Bárbara Bruno e Paulo Goulart Filho.

Nicette Bruno e Paulo Goulart, 1954.
ee.famosos.zip.net


Paulo Goulart estreou no cinema em 1954, atuando na comédia Destino em apuros, de Ernesto Remani. Tido como o primeiro filme colorido produzido no Brasil, ele contracenou com Paulo Autran, Sérgio Britto, Ítalo Rossi e Inezita Barroso.

A carreira de Paulo Goulart, seja no cinema, teatro ou televisão, é extensa, bonita e muito importante para nossa história cultural.

Para saber mais sobre sua vida e carreira: http://zip.net/btmMbp


http://www.opresente.com.br/
















Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...